24.1.19

Entre metrôs e museus

 Ontem, eu e meus amigos cruzamos a cidade de metrô e visitamos o Centro, e seus museus, centros culturais, feirinhas e lanchonetes.
 Eu amo metrôs, por mais estranho que seja, pois me dá a sensação de liberdade. Eu moro distante do metrô e do Centro, então são poucas as vezes que eu posso sair e aproveitar o dia assim, tão livremente. Ah, e eu também amo o Centro: amo os prédios altos, a arquitetura antiga, a paisagem urbana, a beleza caótica das avenidas. Meu bairro parece tão distante disso tudo, como se fossem dois mundos de galáxias diferentes. O Centro possuí uma alma; a vida acontece lá.
 Quando desembarcamos na estação em frente ao museu que iríamos visitar, recebemos a notícia de que a área toda estava sem luz. Esperamos quase uma hora, mas a luz só voltaria no fim da tarde. Quando chegou a hora do almoço, decidimos parar em uma lanchonete ali perto.
 Passamos uma hora comendo, conversando, tirando fotos e rindo sozinhos (é isso que adolescentes fazem quando se reúnem?), o que foi divertido, mas senti um pouco de pena de quem estava ao nosso lado, confesso. Eu já não os via há um mês (ou mais) então esse foi o momento de matar a saudade das conversas estranhas no pátio da escola e das bisonhas piadas internas. 
 Nós passamos por feirinhas e ruas antigas, até chegarmos à outra quadra de centros culturais da cidade (esses com luz). Paramos no CCBB e pegamos nosso passaporte de museus (muito fofinho, diga-se de passagem). Visitamos uma exposição de arte e o museu do banco, ambos incrivelmente lindos e interessantes, tanto as obras e as histórias quanto a vista de algumas salas, que dava na Baía de Guanabara.
 Depois disso, fomos a uma exposição na casa histórica ao lado, igualmente instigante. As artes estavam espalhadas por cada canto das paredes e do chão, de modo bem dinâmico. Paramos na biblioteca da casa para descansar e folheamos algumas revistas juntos. (E carimbamos nossos passaportes!)
 Com aquela sensação de despedida, pegamos o metrô de volta no fim da tarde. Trocamos ideias sobre o dia, escola, planos para o futuro, enquanto a paisagem da janela deixava de ser o Centro e se tornava cada vez mais a nossa área, o que foi um pouco melancólico de ver. Eu sentia que aquele dia jamais acabaria enquanto eu estava lá, vivendo-o, e em uma hora de viagem, ele já estava no fim. Entretanto, a sensação de voltar para casa depois de um dia tão bom é recompensadora. Aliás, é na volta que se sente o cansaço (eu, que sou movida a ansiedade e não comi quase nada durante o passeio, só senti fome na volta).
 No final saímos do metrô, pegamos o ônibus para o nosso bairro e nos despedimos, mortos de cansados. Ainda trocamos fotos, postamos algumas delas, conversamos sobre o passeio até tarde...
 Hoje, quando eu acordei, eu me dei conta que o dia de ontem acabou. Ele não era eterno, mas eu gostaria muito que fosse. Por isso, decidi escrevê-lo aqui: para torná-lo eterno, seja nas fotos ou nas palavras. Enfim, é isso aí. E que venham mais dias para serem eternizados!
Aos meus amigos: Rafael, Julia e Anna. Com todo amor.

11 comentários:

  1. ♡ o centro é de fato incrível e eu fico sentindo que nunca fiz todos os passeios possíveis ou vi tudo que tinha pra ver e aaa como eu queria q o dia durasse mais! mas foi mt bom, amo ver vcs e já tô esperando o próximo
    bj mari, amo seus posts e textos ♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá, anna! ♡
      eu também sinto que eu nunca visitei tudo no centro, mesmo já tendo andado por lá várias vezes;; o dia foi maravilhoso, eu também queria que durasse mais ♡ vamos marcar mais passeios assim!
      beijos, obrigada pelo carinho ♡

      Excluir
  2. AAAAA amiga,isso tá lindo!! foi um dia perfeito ♡♡♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá, júlia ♡ obrigadaaaa, realmente foi perfeito (graças a companhia maravilhosa de vocês) ♡ beijos!

      Excluir
  3. AAAAA amiga,isso tá lindo!! foi um dia perfeito ♡♡♡

    ResponderExcluir
  4. Olá Mari! Primeiramente, que foto incrível essa do início do post! Foi você que tirou? To apaixonada ahhaaaaha

    Nada como passar um dia no centro né? É onde a vida acontece, como você disse! Nada como visitar museus, ver caras novas, andar de metrô o dia todo... Sou de São Paulo, e é extremamente reconfortante saber que quando estou triste, meu MASP, a Paulista e os prédios estão ali por mim. São minhas coisas favoritas no mundo.

    As fotos são maravilhosas, me senti de coração quentinho as vendo! Fico feliz que você tenha tido um dia maravilhoso!

    Com amor, Kaory.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá, kaory!
      eu não tirei a foto do início (mas gostaria de uma vista assim para tirar foto), foi mais para representar a parte do metrô mesmo, e foto é muito bonita mesmo aaaaLMLJM
      eu nunca fui a São Paulo mas imagino que o centro daí é incrível, desejo visitar SP um dia ♡ um dia no centro é sempre reconfortante para mim também, creio que meus melhores dias foram lá
      obrigada pelose elogios às fotos e pelo comentário ♡
      abraços! ♡

      Excluir
  5. Muito legal este post, muito bom.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. que passeio gostoso! senti uma boa nostalgia dos passeios de adolescência. foi no fim dela que visitei meu primeiro museu, e hoje trabalho em um!

    sou doida para conhecer o rio de janeiro histórico. quem sabe um dia? amei as fotografias, amei seu passeio, e sua vontade de eternizá-lo aqui. porque tudo aquilo que não possui memória, é morto ou não existe.

    beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi, helen!
      fico feliz por ter te causado essa nostalgia boa ♡ trabalhar em museus parece muito legal e enriquecedor, eu imagino o quão boa é a experiência (e, mesmo a trabalho, eu gostaria muito de ir a um museu todo dia aa)
      o rio de janeiro histórico é muito bom, cheio de coisas para ver e aprender ♡ tenho certeza que você gostaria muito! obrigada pelo comentário tão bonito, eu realmente nem sabia direito como responder aaaa obrigada mesmo ♡
      beijos!!

      Excluir