Todas as coisas perdidas

Cartas antigas,
Canetas pelo chão,
Todos os meus irmãos,

Para onde vão as coisas perdidas?

Guardadas
Em latas de lixo,
Em versos escondidos,

Em sonhos esquecidos na madrugada.

Só me diga
(por favor)
Para onde eu vou

Quando eu cair da sua mão.
Mari, 15.05.20

Muro


 Tirei essas fotos no fim do dia três, enquanto caminhava (sozinha e de máscara) pela minha rua (vazia). Eu queria ter visto um pouco do pôr do Sol, pela hora que era, mas esse muro ocultava parte do céu. Esse muro sempre esteve no mesmo lugar por toda a minha vida, mesma altura e mesma cerca de arame farpado retorcido, mas eu, com os olhos no céu, nunca tinha notado, ou preferia não notar, o quanto de horizonte ele esconde até esse momento das fotos. É estranho como os olhares mudam as coisas, mesmo quando elas continuam iguais. Eu gosto de guardar essas visões, porque um dia eu não vou ter os mesmos olhos, mas quero ter um acesso de como eu vi o mundo em um dia azul como esse.
Com amor, Mari.
07.05.20.