a lua pela janela do meu quarto

Tese incompleta sobre buracos negros

Há um buraco aberto no meu quarto.
Há um buraco aberto, milimétrico,
no meio do meu quarto.
As folhas voam,
os móveis partem,
os sons dissipam.
Logo os tijolos não resistem,
caem em perfeita espiral.

Casas abandonadas,

túmulos sem defuntos

e páginas arrancadas

são evidências cruciais:

Quartos, caixões, cadernos

contorcem em torno da falta,

cedem a própria matéria,

ao fim, se reconstroem

ao contrário.


Estrelas viram antiestrelas,

são desfeitas as constelações,

invertidos os sinais.

Proponho uma anticosmologia

para remapear as rotas

antimateriais.


Contemplo da curva e

não escapo a queda. Aqui,

me desfaço cada vez

mais completa.


Maria, 15.05.22.

Já faz um tempo, não é?